Pesquisar no blog

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Escândalos de crianças casando-se entre si e com adultos cria revolta até entre os islâmicos

CRESCE O NÚMERO DE CASAMENTOS ENTRE CRIANÇAS E DE CRIANÇAS COM ADULTOS EM PAÍSES FUNDAMENTALISTAS ISLÂMICOS




Mohammad Waseem (dir.) e Nisha foram à delegacia com o pai do" noivo", Mohammad Ismil.

A polícia paquistanesa invadiu um casamento infantil na cidade de Karachi e prendeu o clérigo que presidia a cerimônia para unir um menino de 7 anos e uma menina de 4 anos, informa nesta sexta a agência Reuters.

A Justiça do país afirma que é necessário completar 18 anos para casar, mas as leis islâmicas permitem que meninas se casem após a puberdade. Ainda assim, muitas garotas ainda mais jovens são dadas em casamento para resolver litígios ou sanar dívidas.

A polícia informou que invadiu a casa na noite de ontem, após denúncias de vizinhos. A menina estaria sendo entregue para o casamento pelo pai por 500 mil rupias (pouco mais de US$ 6 mil).

"Nós tínhamos notado alguns encontros nesta casa. Ontem à noite eu fui lá e vi que a menina estava realmente se casando, por isso chamei a polícia", disse um homem identificado como Hassan à Reuters. Outros moradores afirmaram que o casamento aconteceria para resolver uma antiga briga familiar. A polícia afirmou que prendeu o pai do menino, mas o pai da menina conseguiu fugir.

Na Indonésia, clérigo muçulmano se casa com menina de 12 anos
Um clérigo muçulmano provocou revolta na Indonésia ao se casar com uma menina de 12 anos de idade. Pujianto Cahyo Widianto se casou com a jovem na cidade de Semarang, no centro de Java, durante uma cerimônia religiosa não-oficial. As informações são de que ele escolheu sua noiva dentre um grupo de 20 jovens, antes de seguir para Cingapura com a menina e sua primeira mulher. A polícia está investigando o caso.

Possíveis acusações
Investigadores da agência de proteção à criança da Indonésia disseram que Widianto escolheu a menina com base em sua inteligência, maturidade e desenvolvimento físico. Eles disseram que Widianto, que dirige uma escola interna islâmica, havia planejado colocar a garota à frente de um de seus negócios - um ateliê de caligrafia.

Não está claro se o casamento foi consumado. Se tiver sido, o clérigo pode ser acusado de acordo com as leis de proteção à criança, casamento e trabalho. As informações são de que ele teria justificado suas ações afirmando que estaria emulando o profeta islâmico Maomé, e que esperaria até que sua mulher chegasse à puberdade para ter relações sexuais com ela.

Ainda assim, o casamento provocou fortes críticas dentro da Indonésia. Um alto membro do proeminente Partido Islâmico, o PKS, disse que Widianto estava errado em suas ações e em seu modo de pensar sobre o Islã. A polícia disse que não pediu à Cingapura que extradite o clérigo, mas que está continuando as investigações.

E na Arábia...
Duas crianças sauditas de 10 e 9 anos se casaram em uma região tribal do norte da Arábia Saudita, informa o site local Sabq. A festa de casamento de Mohamad Marzuk e sua noiva, cujo nome não foi divulgado, será realizada na aldeia Al Ashqar, na região de Ha'il, e foram convidados à cerimônia centenas de pessoas, entre elas membros de ambas as famílias e amigos das localidades vizinhas.

Os noivos não também convidaram os colegas da escola primária onde estudam em Ha'il e durante a festa será organizado um concurso de poesia, do qual participarão vários poetas das tribos da região. Mohamad e sua "mulher" morarão em um quarto especial na casa da família do noivo, em Al Ashqar.

O site saudita ressalta que Mohamad é um dos noivos mais novos a se casar em Ha'il, mas evita se referir à noiva, dada a natureza conservadora da sociedade saudita, principalmente das regiões beduínas. Na Arábia Saudita, que aplica uma rígida versão da lei islâmica ou "Sharia", não há qualquer legislação que proíba o casamento de menores de idade e não é raro que em áreas beduínas as famílias permitam o casamento de meninas de 9 anos.

Vários intelectuais e ativistas pró-direitos humanos sauditas fizeram repetidos apelos nos últimos meses para aumentar a idade de casamento no reino árabe, apesar de ainda não ter sido dado nenhum passo oficial sobre isso.

Fonte: Terra

NOTA: Aonde estão as reverberantes ONG´s de direitos das crianças, entidades civis e o próprio governo de tais países? Aonde está a ONU? Por que a ingerência em questões frívolas no Ocidente, até sobre a maneira ´como´ devem ser educadas as crianças, o ´quê´ deve ser dito, o que deve e o que não deve ser ´tolerado´, no Ocidente, tem sido feito. Mas, no Oriente, o absurdo é visto e até defendido por alguns como algo ´meramente cultural´. Mesmo que seja, observe que até entidades islâmicas estão se pondo contra tais práticas abusivas. E o pior: Tudo gira em torno de ´dotes´ (dinheiro). Que vergonha para a humanidade.

Em Cristo Jesus,
Pr. Artur Eduardo

Um comentário:

LeticiaRuani disse...

Que absurdo, cada coisa que a gente vê !

Ofertas Exclusivas!!!!