Pesquisar no blog

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Mais filosofia para os dias de hoje

PASCAL



Blaise Pascal (1623 - 1662) foi filósofo, matemátivo, físico, inventor. Um gênio em várias áreas, sem dúvida. Como Teólogo e escritor destacou-se como um dos mestres do racionalismo moderno e sua obra influenciou os ingleses Charles e John Wesley, fundadores da Igreja Metodista. Um dos seus tratados sobre hidrostática Traité de l'équilibre des liqueurs, só foi publicado postumamente, um ano após sua morte. Esclareceu finalmente os princípios barométricos, da prensa hidráulica e da transmissibilidade de pressões. Estabeleceu o ´Princípio de Pascal´ que diz: "Em um líquido em repouso ou equilíbrio as variações de pressão transmitem-se igualmente e sem perdas para todos os pontos da massa líquida". É o princípio de funcionamento do ´macaco hidráulico´. Na Mecânica é homenageado com a unidade de tensão mecânica, de nome ´Pascal´.

"A natureza tem perfeições para demonstrar que é a imagem de Deus; e imperfeições, para provar que é apenas uma imagem.

A arte de persuadir consiste tanto mais em agradar do que em convencer, quanto os homens se guiam mais pelo capricho do que pela razão.

A coisa mais importante para toda a vida é a escolha da profissão: quanto a isso, só o acaso dispõe.

A consciência é o melhor livro de moral e o que menos se consulta.

A eloquência é uma pintura do pensamento.

A grandeza do homem está em ele se reconhecer como miserável. Uma árvore não se dá conta da sua miséria.

A imaginação tem todos os poderes: ela faz a beleza, a justiça, e a felicidade, que são os maiores poderes do mundo.

A justiça sem a força é impotente; a força sem a justiça é tirânica.

A maior fraqueza do homem é poder tão pouco por aqueles que ama.

A moral é a ciência por excelência; é a arte de ser feliz.

A morte é mais fácil de suportar sem nela se pensar do que o pensamento da morte sem risco.

A natureza detesta o vazio.

A nossa dignidade consiste no pensamento. Procuremos pois pensar bem. Nisto reside o princípio da moral.

A nossa natureza consiste em movimento; o repouso completo é a morte.

A opinião é a rainha do mundo.

A própria moda e os países determinam aquilo a que se chama beleza.

A razão manda em nós muito mais imperiosamente do que um senhor; é que, desobedecendo a um, é-se infeliz, desobedecendo a outro, é-se tolo.

A razão, por mais que grite, não pode negar que a imaginação estabeleceu no homem uma segunda natureza.

A verdadeira moral não se preocupa com a moral: quer isto dizer que a moral do juízo não se importa nada com a moral do espírito - que não tem regras.

A vida é um sonho um pouco menos inconstante.

Apenas acredito nas histórias cujas testemunhas estivessem dispostas a deixar-se degolar.

Aquele que sem autoridade mata um criminoso, torna-se tão criminoso como este.

As alegrias passageiras encobrem os males eternos que elas próprias causam.

As paixões, quando mandam em nós, são vícios.

As palavras organizadas de maneira diversa produzem um sentido diverso, e os sentidos organizados de maneira diversa produzem efeitos diferentes.

Condição do homem: inconstância, tédio, inquietação.

Corremos alegres para o precipício, quando pomos pela frente algo que nos impeça de o ver.

Dois excessos: excluir a razão, admitir apenas a razão.

Duas coisas instruem o homem, qualquer que seja a sua natureza: o instinto e a experiência.

Eloquência positiva é aquele que persuade com doçura, não com violência, ou seja, como um rei, não como um tirano.

Em amor um silêncio vale mais do que uma linguagem. É bom ficar sem palavras; há uma eloquência no silêncio que penetra mais do que a língua o conseguiria.

Entre nós e o inferno e o céu, há somente a vida entre os dois, que é a coisa mais frágil do mundo.

Fazer troça da filosofia, é, na verdade, filosofar.

Há duas espécies de homens: os justos, que se julgam pecadores e os pecadores que se crêem justos.

Há duas espécies de homens: uns, justos, que se consideram pecadores, e os pecadores que se consideram justos.

Jamais vivemos, mas esperamos viver; e, dispondo-nos sempre a ser felizes, é inevitável que jamais o sejamos.

Nada há de bom nesta vida salvo a esperança de uma outra vida.

Nem a contradição é sinal de falsidade nem a falta de contradição é sinal de verdade.

Ninguém é tão ignorante que não tenha algo a ensinar. Ninguém é tão sábio que não tenha algo a aprender.

Normalmente, convencem-nos com mais facilidade as razões que nós próprios encontramos do que as que vieram ao espírito dos outros.

Numa grande alma, tudo é grande.

Nunca se ama alguém mas somente as qualidades.

Não há nada de justo ou de injusto que não mude de qualidade ao mudar de clima.

Não podendo fazer que se fosse obrigado a obedecer à justiça, fizeram que fosse justo obedecer à força.

Não sendo possível fazer-se com que aquilo que é justo seja forte, faz-se com que o que é forte seja justo.

O afeto ou o ódio mudam a face da justiça.

O amor não tem idade; está sempre a nascer.

O coração tem razões que a própria razão desconhece.

O eu é odioso.

O homem nasceu para o prazer: ele sente-o e não precisa de mais provas. Ele segue assim a razão, entregando-se ao prazer.

O homem é feito visivelmente para pensar; é toda a sua dignidade e todo o seu mérito; e todo o seu dever é pensar bem.

O hábito é uma segunda natureza que anula a primeira.

O prazer dos grandes homens consiste em poder tornar os outros felizes.

O que é o homem na natureza ? Um nada em comparação com o infinito, um tudo em face do nada, um intermediário entre o nada e o tudo.

O silêncio é o maior dos martíres; nunca os santos se calaram.

O último esforço da razão é reconhecer que existe uma infinidade de coisas que a ultrapassam.

Os olhos são os intérpretes do coração, mas só os interessados entendem essa linguagem.

Para mim é um fato que, se todos os homens soubessem o que os outros dizem deles, não haveria quatro amigos no mundo. Isto resulta das contendas, que referências indiscretas ocasionalmente originam.

Pensar faz a grandeza do homem.

Pesemos o lucro e a perda tomando por coroa (no jogo de cara ou coroa) que Deus existe. Avaliemos estes dois casos: se vencerdes, ganhais tudo; se perderdes, não perdeis nada. Apostai, portanto, que ele existe, sem hesitar.

Posso nunca ter sido (...), por conseguinte não sou um ser necessário.

Poucas amizades subsistiriam se cada um soubesse aquilo que o amigo diz de si nas suas costas.

Quando considero a duração mínima da minha vida, absorvida pela eternidade precedente e seguinte, o espaço diminuto que ocupo, e mesmo o que vejo, abismado na infinita imensidade dos espaços que ignoro e me ignoram, assusto-me e assombro-me de me ver aqui e não lá. Quem me pôs aqui? Por ordem de quem me foram destinados este lugar e este espaço?

Quanto mais inteligente um homem é mais originalidade encontra nos outros. Os medíocres acham toda a gente igual.

Se o nariz de Cleópatra tivesse sido mais pequeno, toda a face da Terra teria mudado.

Somos tão presunçosos que desejaríamos ser conhecidos em todo o mundo... E tão vaidosos que a estima de cinco ou seis pessoas que nos rodeiam, nos alegra e nos satisfaz.

Todas as boas máximas se encontram no mundo: só falhamos ao aplicá-las.

Todas as ocupações dos homens tendem à posse de alguma coisa; e eles não têm nem título para a possuir justamente nem força para a possuir com segurança.

Todos os homens, sem excepção, procuram ser felizes. Embora por meios diferentes, tendem todos para este fim.

Tudo o que sei é que devo morrer em breve; mas o que mais ignoro é essa mesma morte, que não saberei evitar.

Tudo o que é incompreensível, nem por isso deixa de existir.

Uma indiferença pacífica é a mais sábia das virtudes.

É falso que sejamos dignos de que os outros nos amem. E é injusto que o queiramos.

É indispensável conhecermo-nos a nós próprios; mesmo se isso não bastasse para encontrarmos a verdade, seria útil, ao menos para regularmos a vida, e nada há de mais justo.

É necessário que nasçamos culpados - ou Deus seria injusto.

É o coração que sente Deus e não a razão"


Morreu jovem, mas deixou um legado duradouro. Na ocasião de sua morte, um pedaço de papel foi encontrado costurado internamente em sua jaqueta. Estava escrito com os seguintes dizeres:

“De mais ou menos dez e meia da noite até cerca de meia noite e meia.

Fogo.

Deus de Abrahão, Deus de Isaac, Deus de Jacó,

não o Deus dos filósofos e dos eruditos.

Certeza absoluta: Além da razão, Alegria, Paz.

Esquecimento do mundo e de tudo menos de Deus.

O mundo não Te tem conhecido, mas eu Te conheci.

Alegria! Alegria! Lágrimas de Alegria!



Certamente, uma experiência espiritual que tivera anos antes.

Em Cristo Jesus,
Pr. Artur Eduardo

2 comentários:

INGRID disse...

ME ENCANTEI COM ESTE POST, E VEJO QUE NÃO TENHO CONSCIÊNCIA DE QUANTOS HOMENS DEUS TEM USADO NESTE MUNDO, E NEM DE COMO O MUNDO ESPIRITUAL INTERFERE, OU MELHOR, REGE O MUNDO QUE VEMOS, E MUITO MENOS DE QUANTAS PESSOAS INUSITADAS ENCONTRAREI NO CÉU, PELA MISERICÓRDIA DE DEUS.
SERÁ QUE PODERIA COLOCAR MAIS ARTIGOS COMO ESTE?
INGRID AUGUSTO

Ernandi disse...

Parabéns Pr. Artur Eduardo pelo Blogger, meu nome é Ernandi Jr. trabalho em Camaragibe e moro na Iputinga, sou ouvinte da Nossa Rádio Recife e a Cris foi quem divulgou, gostei pelas mensagens, reportagens e entrevistas realmente é um blogger muito informativo. Fique na paz e que o Senhor continui abençoando seu ministério mais e mais em nome de Jesus.

Ofertas Exclusivas!!!!