Pesquisar no blog

domingo, 2 de agosto de 2009

Documentário: "O Que Ainda Não Sabemos (III) - Somos reais?" (VÍDEOS)

SURREALIDADE, IMAGINAÇÃO, DOGMATISMO... E, AO FIM, VOCÊ DECIDE: FATO OU ABSURDO?

Já publiquei artigos e postei vídeos (documentários) com perspectivas que se coadunam e que distanciam do ponto de vista que defendo. Creio ser importante tal posicionamento para um debate produtivo, principalmente pelos moldes nos quais vivemos. Os vídeos a seguir compõem a terceira parte de uma série de documentários apresentados pelo famoso cosmólogo Martin Rees, Ph. D., professor pela Universidade de Cambridge. Nesta parte, as discussões levantadas pelo documentário são todas essencialmente metafísicas. O que me chamou a atenção neste foi a forma explícita como se disse - em outra palavras - que a ciência ´deve´ fazer de tudo para descartar a hipótese divina nas especulações sobre as questões máximas da ciência, na atualidade: por que o nosso universo é como é? Há alguma explicações racional plausível que substitua a hipótese do Criador? As chamadas "questões antrópicas" são relevantes para a ciência? Por que atingimos o "ápice" de nossa inteligência? Somos reais ou meras simulações de uma entidade muito superior a nós?

Questões como essas podem parecer "bobagens" para muitos cristãos, mas exemplificam algumas das mais debatidas na atualidade, nos melhores centros acadêmicos do mundo. Para tal, é necessário uma discussão interdisciplinar, e é mais ou menos isso a que se propõe o presente documentário. Como "respostas" a alguns dos problemas levantados, surpreendeu-me o fato de como a ciência pode ser paradoxal: ao mesmo tempo em que ojeriza o "dogmatismo obscurantista da religião", torna-se, ela mesma, dogmática no anseio (quase irracional) de eximir qualquer tipo de aceitação à "hipótese divina"! Fugindo do dogmatismo, tornam-se tão dogmáticos quanto os estereótipos dos quais tentam desvencilhar o pensamento científico. Pérolas como a explicação "científica" para uma das principais "questões antrópicas" (aquelas que parecem revelar que só um "milagre" - literalmente - poderia explicar a nossa existência no Cosmos), como é o caso da teoria do Multiverso, são tão surreais que o dr. Martin Rees curva-se perante uma comparação inevitável: é necessária tanta (ou muito mais) fé neste tipo de hipótese do que simplesmente imaginar um Criador ilimitado, transcendente... e que explicaria muito melhor o porquê de não termos problemas de contingências (casualidades) neste Universo.

Teorias como a do "Big Crunch" (um Universo retrocedendo até voltar a ser uma partícula fundamental e, a partir daí, gerar novamente outro "Big Bang"), a de mentes simuladas por computador e (a melhor de todas ;) ), a do "Multiverso" são exploradas e cientistas sérios bem como filósofos dão suas opiniões neste documentário. Goste você ou não é exatamente isso, repito, o que perfila na vanguarda das discussões metafísico-empíricas nos mais renomados centros acadêmicos mundiais. Exercite seu poder de crítico construtivo!!! Desligue um pouco a sua tv e assista ao documentário "O que ainda não sabemos". Por fim, comente, debata, exponha sua opinião! É exatamente assim que podemos construir algum pensamento juntos!!


Parte 1


Parte 2


Parte 3


Parte 4


Parte 5

Um último pensamento. O apóstolo Paulo foi um dos cristãos que lidou com a aceitação da mensagem cristã e com o escárnio, a vituperação de sua mensagem, o desprezo de quem o considerava um louco. O livro de Atos dos Apóstolos fala sobre isso, mas é nos próprios escritos de Paulo, na Bíblia, que podemos observar que Paulo acerta quando pondera questões da existência humana que permeavam seus dias e que permeiam os nossos! Como é fácil, por exemplo, "inculcar-se por ´sábios´", haja vista que o modelo estabelecido neste mundo (grego, kosmos) é frontalmente contrário àquele que nos é apresentado oriundo do próprio Deus, conforme dizem-nos os escritos da Bíblia Sagrada. Sendo assim, Paulo sintetiza o "espírito de sua época" (observe o quão atemporal o mesmo é) ao escrever aos cristãos de Roma, em Romanos 1:22-23a: "Inculcando-se por sábios, tornaram-se loucos e mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível...". É exatamente isso o que vemos: o homem como a "medida" de todas as coisas, conforme preanunciava Protágoras (480 - 410 a.C.). Ao descobrirmos nossas limitações e, paradoxalmente, nossas incríveis e aparentemente insuperáveis capacitades intelectivas, só podemos imaginar que não somos a medida de todas as coisas... algo ou alguém o é.

Esse alguém (sim, "alguém", para que o Cosmos tenha sentido) é Deus!!!

Em Cristo Jesus,
Pr. Artur Eduardo

3 comentários:

tiagoclc disse...

É fácil acreditar em algo. Difícil é questionar e descobrir a essência daquilo em que acreditamos.

Nathalia disse...

Tiago, não deve ser fácil acreditar em algo, pois você vive questionando tudo e todos!

J. Carlos disse...

Pr. Artur Eduardo,leia "A Era das Máquinas Espirituais" de Ray Kurzweil- editora ALEPH.

Ofertas Exclusivas!!!!