Pesquisar no blog

terça-feira, 16 de abril de 2013

Uma forte "pancada" nos movimentos LGBT´s europeus (e principalmente franceses!)

JOVEM GAY É UM DOS LÍDERES DO MOVIMENTO NA FRANÇA CONTRA O CASAMENTO DE HOMOSSEXUAIS

O jovem homossexual de 21 anos, Xavier Bongibault, é um dos líderes da grande coalizão que se formou para defender o autêntico matrimônio formado por um homem e uma mulher e assim opor-se ao projeto do presidente Francois Hollande para legalizar as uniões e a adoção de casais homossexuais. Bongibault, assinala uma nota do jornal espanhol ABC, "converteu-se em um dos principais personagens do movimento contra as uniões homossexuais "que recentemente congregou a centenas de milhares de franceses em Paris".

Alguns dos organizadores chegaram a calcular perto de 1,3 milhões de pessoas que inundaram a capital francesa pedindo o respeito ao autêntico matrimônio formado por um homem e uma mulher. Xavier Bongibault é o fundador da associação "Mais gay sem matrimônio" e aparece com frequência ao lado da dirigente do movimento "Manifa para todos" (a réplica do "matrimônio para todos" que propõe o governo socialista), Frigide Barjot. Em suas declarações ao jornal Le Figaro, Bongibault assinala que "quando ouvi dizer que todos os homossexuais estavam a favor do projeto de lei, tomei a decisão de protestar". Aos seus 21 anos, o estudante de Direito na Universidade de Paris 13, sublinha que "as crianças devem ser criadas por um pai e uma mãe. Os estudos demonstram que os que são educados por pais do mesmo sexo acabam tendo problemas psicológicos".

O jovem comenta também que é "muito altruísta" para ter um dia uma criança com seu casal homossexual. "O filho não pode ser o objeto dos nossos delírios pessoais", conclui. Bongibault participa da grande coalizão francesa que já saiu em duas ocasiões às ruas da França. A primeira, em novembro, reuniu a mais de 250 mil pessoas. E na de alguns dias atrás, em Paris, os mais de um milhão de participantes recordaram ao mundo que "não há nada melhor para uma criança que ter pai e mãe". Nos milhares de cartazes dos participantes que estavam com camisetas e bolas de cor celeste, rosa e branco, podia-se ler também: "Os pais e as mães viemos às ruas e o matrimônio defendemos", "Todos nascemos de um homem e de uma mulher", "Nem progenitor A, nem progenitor B: Pai e Mãe!"Estima-se que 200 mil pessoas chegaram a Paris em trem e ônibus desde diversas cidades para participar da marcha. 

Logo no início da manhã de segunda-feira muitas delas retornaram já a seus lugares de origem. Um total de 34 instituições, entre associações de família, católicas, protestantes, muçulmanas, jurídicas, infantis, e inclusive algumas organizações de homossexuais convocaram à marcha que superou todas as expectativas.

Fonte: ACI Digital

NOTA: Parabenizo este jovem homossexual francês, por sua lucidez, coragem e ousadia! Não concordo com suas práticas - as quais, pelo que entendi no texto, ele mesmo chamou de "delírios pessoais" -, mas defenderei, como alguém alinhado ao liberalismo histórico, seu direito à liberdade de expressão e opinião... e é claro que o congratulo por ele ter a coragem de admitir que o casamento "natural", ou seja, o de um homem e uma mulher, não pode ser colocado no mesmo patamar de uma união homoafetiva, simplesmente porque tais uniões não são naturais, como não é "natural" que alguém coma capim, ou que queira voar por conta própria, ou que queira nadar como um peixe etc., etc., etc. Pode até ser que haja alguém que insista em viver comendo capim... ok, sem problema algum! Seu direito está mais do que garantido!! Mas, daí a dizer que é natural comer capim é um abismo conceitual gigante com o que é óbvio! Ora, se há médicos, por exemplo, que se opõem a que alguém coma capim, por causa da não naturalidade daquele ato, e isto é completamente bem aceito na sociedade, por que a Igreja Cristã não pode ser opor à prática homossexual, uma vez que a grande maioria da população entende e defende veementemente a idéia (ao meu ver, óbvia) de que o homossexualismo não é um ato "natural"?? Sei que o que está em questão aqui é, essencialmente, a guarda de filhos por um "casal" homossexual... mas, pego carona nas palavras do jovem homossexual que é contra tal adoção: por que temos de sacrificar as mentes de crianças por causa de nossos "delírios pessoais"? Que cada conceito permaneça no seu lugar de direito!

2 comentários:

Nerly Nunes disse...

Não adianta nada ele defender o matrimônio só entre homem e mulher e depois ir para o inferno. Deus não vai livrá-lo por isso.

Artur Eduardo disse...

Concordo, Nerly. Agora, pior ainda são os que se dizem cristãos evangélicos e defendem o casamento gay... creio que são mais contraditórios do que esse rapaz, aí. Que o Senhor Deus o abençoe e o ilumine e o faça reconhecer que tal prática é uma abominação para Deus.

Ofertas Exclusivas!!!!