Pesquisar no blog

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Pancada "youtubeana" no secularismo: 27 milhões de visualizações!

O INESPERADO ACONTECE NUMA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO DO CANADÁ


Por Mattew C. Hoffman
Traduzido por Julio Severo
Adaptado por Artur Eduardo

À medida que o ano de 2010 estava chegando ao fim, aconteceu algo maravilhoso numa praça de alimentação num shopping center do Canadá. De repente, os clientes despertaram e começaram a cantar, a cantar de forma bela, a cantar o Coro Aleluia de "O Messias" de Handel. O evento "flashmob*", filmado com múltiplas câmeras escondidas, difundiu-se pelo YouTube, onde foi visto mais que 26 milhões de vezes desde 17 de novembro, tornando-o um dos vídeos mais assistidos da história do YouTube.

Quando assisti ao vídeo, ponderei a questão do motivo por que eu, um homem crescido que não é conhecido por perder sua compostura, estava chorando como um bebê, e por que muitos outros reagiram da mesma forma, tanto na própria praça de alimentação como entre os usuários que deixaram comentários. Por que é que esse vídeo de uma antiga obra de polifonia cristã estava alcançando e movendo dezenas de milhões de pessoas, uma distinção que normalmente gozam as expressões banais da cultura popular?

A primeira e mais óbvia resposta é que a pura beleza e reverência da peça vêm movendo pessoas às lágrimas desde que foi composta pela primeira vez pelo próprio Handel. De acordo com uma antiga história sobre Handel, seu assistente certa vez o procurou depois de chamá-lo durante vários minutos. Ele encontrou Handel no quarto dele, em lágrimas, enquanto ele estava compondo o Coro Aleluia. "Acho que vi a face de Deus", disse ele.

Foi comovente ver povo tão belo, de todas as gerações e procedências raciais, executarem essa grande obra com alegria e reverência, mas ainda mais comovente foi sua capacidade de transformar uma praça de alimentação, um símbolo trivial de nossa cultura consumista cada vez mais degradada, com o louvor glorioso de Deus. Por um momento naquele dia de novembro, o secularismo militante da moderna sociedade emudeceu em face de algo que jamais poderia produzir, nem começar a sondar; uma bela voz de seu passado repudiado, insistindo em verdades que nunca morrerão: e Ele reinará para sempre!

Chorei também pelo mundo perdido da minha infância. Embora a cultura da década de 1970, já cambaleando das agitações da década de 1960, tivesse sido apenas um reflexo pálido da sociedade cristã que a precedeu, muitos elementos dessa civilização perdida estavam ainda intactos. O Coro Aleluia e outras obras semelhantes eram considerados coisas naturais e normais da sociedade, uma defesa do compromisso para com uma cultura cristã que permeou os Estados Unidos, Canadá e boa parte do mundo ocidental. Mas os EUA em que nasci desapareceram, e o Coro Aleluia é agora considerado um ato revolucionário, um gesto de desafio na face de uma sociedade "pós-cristã" cínica.

Mas a cristandade, com Cristo como rei, jamais poderá morrer. Pode ser forçada a se esconder nos subterrâneos por algum tempo, na privacidade dos lares e corações, mas as palavras do Coro Aleluia nos fazem recordar que Jesus Cristo é "o Senhor Deus onipotente", o "Rei dos reis e Senhor dos senhores" cujo reinado nunca acabará. O reinado de Cristo desabrochará de forma nova milhares de vezes e em mil lugares, em shopping centers e ruas, em lojas e escritórios governamentais. Sua ressurreição, como a do próprio Cristo, é garantida." (...)

Fonte: Life Site News

NOTA: Amém!

Em Cristo Jesus,
Pr. Artur Eduardo

2 comentários:

juan disse...

Haendel Johann Sebastian bach são incríveis. Realmente é possível Haendel ter tido uma vissão da grandeza da música celestial, inspirada pelo Eszpíritu de Deus.
Boas festas pastor Artur Eduardo.
Aproveito pra lhe dizer que há uns mesesa lhe enviei un email, do qual ainda não tive resposta. Obrigado. Juan Camacho.

Artur Eduardo disse...

Olá, Juan. Sinceramente, não lembro de ter visto seu e-mail. Você poderia reenviá-lo para mim? Paz.

Ofertas Exclusivas!!!!